A piada sem graça de Corey LaJoie

Dentro de um contexto, é muito fácil achar humor fácil para exemplificar qualquer situação. Desde a piada com a sexualidade alheia, que de fato não tem graça, até as histórias da política tupiniquim, que em muitas vezes extrapolam os limites da realidade e ficção. Não que seja necessariamente ruim este tipo de humor, mas as vezes não se explica. Principalmente histórias que tendem a mostrar um pouco a mais do que aquilo que a grande massa vê.

Este cenário se exemplifica bastante no automobilismo pela evolução de um piloto em suas diversas fases, desde as categorias de base até a chegada as “categorias rainhas”. É muito comum acompanhar tendências de evolução e involução. E em ambas as situações, é preciso analisar as condições entregues para os pilotos.

Vamos para um exemplo fora da Nascar, mas que ilustra bem a situação: Pastor Maldonado foi marcado pelos acidentes. E não foi exclusivamente pelo que fez na F1, mas em todas as outras disputas em que ele foi expoente. Se fosse montar um gráfico da carreira dele, veríamos altos com muitos baixos, mostrando sua irregularidade e inconsequência.

Dito isto, é preciso entender que “sempre os mesmos” não quer dizer que o mesmo de sempre é ou foi um piloto ruim. É o que acontece com Corey LaJoie na Nascar. Filho do bicampeão da Busch Series (atual Xfinity Series) Randy LaJoie, Corey um dia estava na seleta lista de “Young Guns” que seriam o futuro da categoria. E pelo que ele fez, poderia estar no lugar de muitos pilotos de destaque tanto na Xfinity Series quanto na Monster Energy Nascar Cup Series. O histórico do piloto revela um piloto vitorioso, principalmente pelo que fez em 2012 na K&N Pro Series East.

Naquele ano, em 14 etapas, LaJoie venceu 5 corridas, terminando o campeonato na segunda posição, atrás de um futuro astro da MENCS: Kyle Larson. Alias, o jovem californiano só venceu esta disputa pela sua enorme regularidade, uma vez que o futuro piloto da Chip Ganassi teve apenas 1 vitória. Enquanto LaJoie ficou a frente de nomes como Bret Moffitt, Chase Elliott e Darrel Wallace Jr. Com o belíssimo resultado, era de se esperar que ele pudesse disputar provas nas divisões principais nos anos a seguir, mas uma série de erros impediram que isso acontecer

Em 2013 o destaque na KN Pro East fez com que ele tivesse um contrato com a Richard Petty Motorsports para algumas provas na Xfinity Series para aquele ano. Porém, a dificuldade em obter patrocínio fez que 2013 fosse um ano perdido para ele, com apenas 1 corrida e um modesto 34° lugar, por conta de um acidente na prova final da categoria em Homestead. Mas LaJoie não tinha tido um ano tão ruim: em provas da ARCA realizada ao longo de 2013, o piloto estabeleceu 3 vitórias em 5 participações.

Mesmo com um momento favorável sem espaço na Nascar, a carreira dele definhou numa polêmica mensagem no twitter que o piloto fez no ano de 2014, quando indicou que era favorável que um homem de turbante precisava ser revistado em todas as suas cavidades. A mensagem foi apagada, mas o estrago foi gigante: colocado sobre observação indefinidamente e teve que fazer sessões para entender o seu erro. E a geladeira dos patrocinadores e da RPM durou até 2017.

Depois dessas pouquíssimas oportunidades, o convite para fazer corridas pela BK Racing no carro #83. Um carro fraco de uma equipe pequena e com pouca estrutura, que anda normalmente no final do grid. E por consequência o envolvimento em inúmeros acidentes neste ano, chamando a atenção da imprensa e do público que acompanha a MENCS. E na época de tweets e snaps que representam opiniões e pós verdades, não existe margem para discutir se de fato é o piloto ou não o motivo dos problemas de desempenho neste ano. Eu daria o beneficio da dúvida e não daria risada da piada pronta.

 

the author

Thiago Santa Rosa é Analista de TI e nas horas vagas é um fã de automobilismo em geral, mas que tem paixão pelos stock cars americanos.

2 Readers Commented

Join discussion
  1. marcos piccinin on 05/04/2017

    bom texto thiago, parabéns

  2. marcos piccinin on 05/04/2017

    bom texto thiago, parabéns!

HAVE SOMETHING TO SAY?